Alimentação Infantil

11 Truques para seu filho comer melhor:

Desesperados para ver os filhos se alimentarem corretamente, muitos pais lançam mão de chantagens pouco corretas para conseguir emplacar algumas colheradas. Ameaças como “se você não comer a salada, vai ficar sem videogame a semana toda” são pouco eficazes. Além de estabelecerem a alface como algo horrível e o videogame como algo incrível, elas podem gerar um estresse desnecessário entre adultos e crianças. O melhor é apostar em alguns truques práticos para fazer seu filho mudar de ideia em relação às comidas saudáveis. 

1. Capriche na apresentação do prato :
As crianças comem, sim, com os olhos, um prato bem decorado e colorido faz toda a diferença. “É uma coisa simples de ser feita: desde colocar mais cores, que é resultado de uma dieta equilibrada, até montar uma carinha com os alimentos”. O brócolis pode virar um cabelinho, enquanto o tomate pode ser cortado em forma de boca. 
O uso de forminhas ou cortadores com o formato de bichos. “Quando você desenha no prato, pode até colocar ingredientes que a criança nem conhece. Ela presta mais atenção no desenho. Ao servir a refeição diretamente da panela, a criança pode ter uma reação pior” .

2. Invista em alimentos pequenos :
A lógica é simples: alimentos em miniatura fazem com que as crianças sintam que aquilo foi feito só para ela, mini legumes ou folhas de rúcula “baby”, por exemplo, tendem a agradar bastante. Mas não necessariamente precisam ser alimentos em miniatura. Ovinhos de codorna, por exemplo, também podem ser utilizados como incrementos.

3. Evite bebidas durante a refeição :
 Diminuir o volume de líquidos durante as refeições pode ser uma boa pedida. “Os líquidos ajudam a saciar a fome, ou dão a sensação de saciedade, ou seja, de estar satisfeito”. Prefira oferecer água ou suco, portanto, somente depois do almoço ou da janta.

4. Ofereça primeiro o que ele menos gosta :
A maioria das famílias costuma fazer o contrário, mas o melhor para a criança que não come verduras é tê-las à vista antes dos outros pratos da refeição. “Assim, ela estará com fome e pode consumir esta preparação mais facilmente”.

5. Mantenha os alimentos saudáveis em lugares acessíveis :
Manter as frutas expostas na cozinha, ou até já lavadas e cortadas na geladeira, prontas para serem alvos de uma criança faminta. A fórmula também pode funcionar para legumes, como cenouras e pepinos. 

6. Cozinhe com seu filho :
Estimular a criança a colocar a mão na massa pode fazê-la se alimentar melhor . 

7. Envolva a criança na escolha do cardápio da semana :
A diversão é a isca perfeita para envolver uma criança em qualquer assunto. Na alimentação, vale o mesmo princípio. Conte com a ajuda dela para montar o cardápio da semana. Peça a ela para escolher um prato e os pais escolhem outro. O mesmo vale para quando a família vai a um restaurante: a mãe pode sugerir que ela escolha o prato do filho e o filho escolhe o dela. “Mas sem ameaças. A pior coisa que pode ser feita é obrigar a criança a comer. Essa integração faz com que aquele momento seja saudável e a criança não se sente cobrada”.

8. Fique tranquilo com a sujeira :
A atriz Maria Paula é mãe de Maria Luiza, 6, e Felipe, 4. Ela acredita que o fato de ter amamentado os filhos no peito até as crianças completarem quase 2 anos de idade contribuiu para eles comerem muito bem, quase sem nenhuma restrição, inclusive de frutas, legumes e verduras. “As crianças são boas de garfo, assim como a mãe”, compara a ex-Casseta e Planeta. “Não é piada não, é exemplo. Eu mudei a minha alimentação depois que a Maria Luiza nasceu, porque sabia que ela não iria comer certinho se eu não fizesse o mesmo”, completa. “Passei a tomar café da manhã, por exemplo, coisa que nunca tinha feito”.
Além da amamentação e do exemplo, Maria Paula revela outro segredo para fazer com que seus filhos nunca tenham torcido o nariz para brócolis, alface, aspargos e abacate. “Sempre incentivei que eles descobrissem os sabores, as texturas por conta própria”, diz. “Então, não ficava encanada com sujeira. No início, eles podiam comer com as mãos para descobrir o que era aquilo. Quando queriam, tentavam sozinhos usar os talheres e sempre atendiam as suas curiosidades gastronômicas. Para mim e para eles, deu super certo”, garante.

9. Leve seu filho ao mercado ou faça uma hortinha em casa: 
Levar as crianças para as compras do mês também pode ser uma ótima ideia para envolvê-los com a alimentação. Segundo Betty Kövesi Mathias, aproximá-las dos alimentos faz com que elas fiquem mais curiosas e experimentem com maior facilidade. Se o seu filho transforma as compras em uma guerra sem fim por cada guloseima dos corredores, outra alternativa é fazer uma hortinha em casa, ou mesmo cultivar pequenos vasos de tempero. “Além de facilitarem a culinária, ampliam o repertório de alimentos da família”.

10. Transforme o ato de comer em uma brincadeira :
Por menor que pareça, o uso da imaginação empolga – e muito – as crianças. Usar referências que a criança conhece, como o espinafre do Popeye ou o prato favorito de outro personagem, pode fazer com que ela tenha uma identificação maior com o alimento. “O discurso que se refere ao mundo da fantasia da criança pode ser empregado de acordo com a idade e sempre vale a pena”.

11. Varie os formatos :
 “disfarçar” os alimentos rejeitados em pratos diferentes.
 O truque pode ser o ponto de partida para a criança começar a mudar de ideia. Se ela não come beterraba, que tal acrescentar o tubérculo na massa e fazer panquecas cor-de-rosa? “Mas não pode virar uma rotina. É importante ela saber o que está comendo”. A ideia é mostrar diferentes formas de um mesmo alimento, para ver se ela realmente não se interessa por ele.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...